domingo, 17 de dezembro de 2017

CONTRA O IMPERIALISMO: Maduro rechaça ofertas de Trump para ajudar venezuelanos

Segundo governo, preocupação de Washington com crise na Venezuela é "cínica". Além de apontar tentativas de desestabilização e sanções, Caracas exortou Trump a melhorar condições críticas da própria população

por Deutsche Welle - na RBA - publicado 17/12/2017

PICTURE ALLIANCE / ABACA / C.BEZERRA
nicolas maduro dw.jpg
Maduro exortou Trump a se esforçar para melhorar as condições críticas em que vive amplo setor da população americana
Deutsche Welle – O governo de Nicolás Maduro declarou neste sábado (16) que os Estados Unidos "burlam" a comunidade internacional ao oferecerem ajuda humanitária à Venezuela, enquanto "persiste com as tentativas de desestabilização e ataca com sanções econômicas".
Em comunicado, o executivo do presidente Maduro "rejeita categoricamente o cínico anúncio" da porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert, nesta sexta-feira, declarando a preocupação de seu país para com o povo venezuelano, que vive "péssimas condições", indicando que Washington está pronto a abastecer a população com comida.
Esses fornecimentos "poderão ser disponibilizados de imediato caso o governo da Venezuela aceite assistência humanitária internacional". Nauert instou Maduro a "deixar de negar as necessidades do seu povo e permitir que lhe chegue ajuda da comunidade internacional".

Sem ampliar refinarias, Brasil pode ter que racionar combustíveis.

.
por Tereza Cruvinel - no 247 - 17/12/2017

No governo Michel Temer, o Brasil teve o menor investimento público de todos os tempos, segundo a Instituição Fiscal Independente (IFI): 2% do PIB entre junho de 2016 e junho deste ano. A Petrobrás também cortou R$ 1 bilhão em investimentos este ano e paralisou obras em refinarias como a Comperj e a Abreu e Lima.  O resultado do desastre começa a aparecer: mesmo com as fabulosas reservas de petróleo do pré-sal, o Brasil pode enfrentar um racionamento de combustíveis a partir de 2.025. Sem capacidade de refino, e com problemas de logística para importar gasolina, diesel e outros derivados para atender à demanda interna – que aumentará se o país em algum momento voltar mesmo a crescer – o racionamento seria inevitável, com todas as consequências para a vida da população e para manter a própria economia girando.  Este é um dos mais graves sinais da catástrofe que sendo desenhada pelo atual governo.

J. Carlos de Assis: A Previdência como carniça do sistema financeiro.

.
POR JOSÉ CARLOS DE ASSIS - NO GGN - 17/12/2017

O Globo anuncia que as três grandes agências internacionais de risco darão prazo até fevereiro para decidirem se desclassificam ou não o Brasil como destino de investimento. Oh, por Júpiter, bradarão os vigaristas do mercado financeiro! Eles contam com essa ameaça não por conta do risco mas a fim de aumentar a pressão para forçar o Congresso a aprovar de qualquer forma a chamada reforma da Previdência. Afinal, nem todo parlamentar é bem informado em questões financeiras. Muitos levam a sério a opinião das agências de risco.

sábado, 16 de dezembro de 2017

Keiser Report en español: Estafas estratégicas

Publicado em 16 de dez de 2017


PHA: Globo é dona da maior empresa de previdência privada!

Será por isso que ela e a Cegonhóloga defendem a Reforma da Previdência?

Paulo Henrique Amorim - Conversa Afiada - 16/12/2017

MapfreWide.jpg
.
De amigo navegante que não perde uma manifestação da Cegonhóloga a favor da Reforma da Previdência que cura até dor de corno:
A maior empresa de previdência privada no Brasil pertence ao grupo Mapfre.  E o grupo Mapfre pertence à Globo.  Entendeu agora por que a Globo é a favor da reforma da previdência?

VÍDEO: GOLPISTAS DESMONTAM AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS


Publicado em 16 de dez de 2017


Eugênio Aragão: Por que a mídia de direita ataca Gilmar Mendes.

Por Diario do Centro do Mundo - 16 de dezembro de 2017

eles
POR EUGÊNIO ARAGÃO, ex-ministro da Justiça
Notícia de jornal e de hebdomadários é que nem jabuti em árvore. Não chega sozinho lá. Alguém ali o coloca. Para entender noticiário é preciso conhecer a história por detrás dele. Há sempre uma razão para ter este ou aquele título, este ou aquele lead, esta ou aquela abordagem. Há uma intenção latente em cada palavra, em cada frase, em cada parágrafo. O comunicador profissional é um formador de opinião e usa de toda a técnica para atrair o leitor para seu conceito da realidade.
O problema é que o leitor comum é desavisado, distraído. Toma a notícia por seu valor de face e, assim, não é difícil engambelá-lo. Engole qualquer coisa pelo argumento de autoridade: “se foi a Veja que disse, então é verdade”.
Pois bem. A tal revista Veja, do esgoto do jornalismo tupiniquim, que ajudou a desgastar o governo Lula, que trabalhou intensamente com Demóstenes Torres, Carlinhos Cachoeira para lançar estrume no PT e com quem o Ministro Gilmar Mendes sempre pôde contar politicamente, resolveu atacá-lo, na contramão de sua linha editorial. Acusa-o de fazer negócios com o grupo JBS, através do IDP, faculdade de que é sócio.

VÍDEO: Los trabajadores vamos a luchar siempre que quieran sacarnos nuestros derechos.

Argentinos lotam a frente do Parlamento contra a reforma da Previdência



Grandes obras do Pentágono à nossa custa. Por Manlio Dinucci

 | ROMA (ITÁLIA)  
ENGLISH  FRANÇAIS  ITALIANO
JPEG - 31.6 kb
Há grandes obras em curso, no nosso território, de norte a sul. Não são as do Ministério das Infraestruturas e Transportes, das quais todos discutem, mas as do Pentágono que ninguém aborda. No entanto, elas são pagas, em grande parte, com o nosso dinheiro e envolvem riscos crescentes para nós, italianos.
No aeroporto militar de Ghedi (Brescia) , começa o projecto de mais de 60 milhões de euros, a cargo da Itália, para a construção de infraestrutura para alojar 30 aviões americanos F-35, comprados pela Itália e 60 bombas nucleares americanas B61 -12.

Fábio de Oliveira Ribeiro: Não chores de rir dos brasileiros, Argentina.

Foto: Daniel Vides/AFP
.
Por Fábio de Oliveira Ribeiro - no GGN - 16/12/2017

A esquerda brasileira é risível. Ela culpa a direita por ter dado um golpe, mas não organizou o povo para resistir à queda de Dilma Rousseff. Culpa a direita por revogar direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, mas não organizou o povo para sitiar o Congresso Nacional. Culpa os juízes porque eles se apropriaram de todo o poder político, aumentaram seus privilégios e assaltaram os cofres públicos, mas não organizou o povo para invadir os condomínios onde eles moram. Culpa o povo brasileiro porque ele é apático e desorganizado como se a obrigação de anima-lo e organiza-lo não fosse dos partidos, sindicatos e lideranças de esquerda.

Fotos: Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel, circula tranquilo no Planalto

Deputado é alvo de cassação
Digitais estavam em ‘bunker’
Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel, circula tranquilo no Palácio do Planalto
POR SABRINA FREIRE - no Poder360 - 15.dez.2017 (sexta-feira) - 20h32

O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, participou nesta 6ª feira (15.dez.2017) da posse do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB-MS).

Lúcio Vieira Lima é alvo de pedido de cassação por quebra de decoro parlamentar, protocolado neste mês pelo Psol e Rede, no Conselho de Ética da Câmara dos deputados.

B.B. King Jams with Slash and Others (6/6) Live at the Royal Albert Hall 2011


Dedo Duro S.A.

POR  · 15/12/2017


aroeiracega
.
A expressão “premiada” que se glorificou pregar às delações aparece em toda a sua imundície, nua e crua, na reportagem de Felipe Bächtold, Ricardo Balthazar e Wálter Nunes na Folha de  hoje.
No texto de Lava Jato e Odebrecht fazem pressão sobre delator que não admite culpa, eles contam como o Ministério Público e a empresa se unem para chantagear vários das quase oito dezenas de funcionários da empreiteira que querem exercer o direito de protestarem sua inocência, depois de terem-no vendido.
Vendido, esta é a palavra, porque todos ou quase todos receberam prêmios em dinheiro: gratificações, indenizações e garantia de cargos elevados na hierarquia da Odebrecht.